Conforme convenção homologada pelo Banco Central em conjunto com as demais instituições financeiras, a partir de 01 de janeiro de 2017 os boletos sem registros serão suspensos. Se você está apostando em uma prorrogação de limite, como acontece com muitos prazos no Brasil, é melhor tomar cuidado porque não há sinais de que isso deva acontecer. Essa medida anunciada pela Febraban, Federação Brasileira dos Bancos, causou muita preocupação nas entidades, pois provocará uma grande alteração na rotina de emissão de boletos. Por esse motivo, elaboramos o texto abaixo com informações importantes que ajudarão sua entidade a se preparar para essa mudança.

Qual a diferença entre os boletos com e sem registro?

Embora ambos tenham sido válidos até hoje, a Febraban alega que a suspensão da cobrança sem registro tem como motivação a questão da segurança. Os boletos sem registro teriam um grande risco de fraude, pois podem ser adulterados, de modo que o pagamento seja direcionado para uma conta diferente da que deveria receber o valor. Além disso, existem outras adulterações que também causam problemas, como a mudança do valor ou da data de vencimento por parte dos clientes.

Mas na prática, o que vai mudar?

Na cobrança sem registro, a entidade emite o boleto diretamente para o contribuinte. Já na modalidade com registro, primeiramente o boleto é enviado ao banco para ser registrado e depois encaminhado ao contribuinte. Quando você faz qualquer alteração em um boleto sem registro, não é preciso nenhum envolvimento com o banco. Já quando se trata de um boleto registrado, para cancelá-lo ou fazer qualquer alteração de data de vencimento, valor ou outro detalhe, você precisará informar o banco. E como isso deve ser feito? Por meio do envio de um arquivo remessa ao banco, que deverá conter todas as informações sobre o boleto. Outra questão muito importante é a cobrança de tarifas. Se em um boleto sem registro a única tarifa paga é na hora da compensação na rede bancária, no caso dos boletos registrados o banco pode cobrar tarifas para registrar o boleto e também para alterar ou cancelar.

O impacto da mudança na sua entidade:

É imprescindível que você negocie com o seu gerente do banco, para evitar que sobre um mesmo boleto acabe incidindo mais de uma cobrança de tarifa.

Como faço para emitir boletos registrados?

Você precisará de um sistema confiável e a solução é utilizar o Gersin, um sistema de gestão para entidades, desenvolvido pela Micromust. O sistema Gersin é referência em todo o Brasil por oferecer segurança e facilidade em suas soluções, inclusive na emissão de boletos registrados.

Entre em contato agora com a Micromust e sabia mais sobre o Gersin.

Copyright © 2017 Todos os direitos reservados.